Gestão Urbana e Saúde

1. Periodicidade
Oferta ENSP - Regular ? Anual

2. Objetivo do Curso
Desenvolver um visão crítica e estratégica sobre as políticas, planos e programas que tem determinado historicamente a expansão territorial urbana de uma cidade ou metrópole, fortalecendo e ampliando a pauta da Saúde Coletiva na agenda e nas práticas de gestão e planejamento urbanos do país e, a partir do conceito de determinantes urbanos da saúde coletiva, estudar os diversos campos de conhecimentos relacionados à análise da cidade e construção de políticas e indicadores de qualidade de vida dos seus habitantes, e de sustentabilidade do ambiente das metrópoles.

3. Justificativa
A proposta de formação se assenta nos recentes fatos e documentos sobre a significância da relação entre processo saúde-doença e as políticas, programas e projetos de ocupação e expansão urbana nas grandes cidades. As consequências advindas desta relação induz a criação de projetos pedagógicos que aproximem os diferentes atores, suas intencionalidades e ações diante de tal complexidade, na busca por melhores intervenções e soluções. No contexto de uma interdisciplinaridade e intersetorialidade, formada entre urbanidade e saúde, ressalta-se a definição do conceito de Cidade Saudável pela Carta de Ottawa de 1986, após o que a ENSP e a Fiocruz realizaram diversas investidas na discussão do processo saúde-doença, ambientado no contexto de uma urbanização crescente da população brasileira e mundial. O Relatório da ONU de 2014 demonstra que o perfil habitacional e produtivo da população mundial cada vez mais se caracteriza, acentuadamente, pelo cenário urbano, nesse sentido, as projeções mais otimistas indicam que até o ano de 2050, cerca de 2,5 bilhões de pessoas estarão vivendo em zonas urbanas, em grandes cidades e megalópoles. Com o objetivo de acompanhar de modo mais próximo e reflexivo esses cenários e tendências, inicia-se em 2014, no Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental-DSSA, uma discussão sobre a constituição do Grupo de Pesquisa em Saúde Urbana, certificado pelo CNPq, que busca articular pesquisa e processos de formação que reflitam as preocupações crescentes com as questões de saúde coletiva relacionadas ao crescimento urbano e aos problemas de gestão e planejamento urbanos observados em regiões metropolitanas do país. A formação também se justifica no contexto institucional, tendo em vista a designação da ENSP, em 2010, como Centro Colaborador em Saúde Pública e Ambiental pela Organização Pan-Americana de Saúde, a fim de liderar projetos de formação e pós-graduação voltados aos países latino-americanos, visando, dentre outras ações, catalisar e promover experiências bem sucedidas na área da saúde urbana. Outro fato relevante nesse contexto relaciona-se à participação da Escola e do DSSA, em 2011, na Conferência Internacional em Saúde Urbana, realizada em Belo Horizonte. Também em 2011, a Vice- Presidência (VPAAPS) da FIOCRUZ, mapeando iniciativas nesta temática, no Brasil, aprofunda relacionamento com o Observatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte (OBSUBH), da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais de modo a incorporar as experiências deste Observatório ao projeto institucional intitulado ?Produzindo um Observatório de Saúde Urbana?, como terceiro componente da cooperação técnica FIOCRUZ-IHS. Ainda nesse contexto, buscando intensificar o processo pesquisa- formação acadêmica, é firmado em março de 2016 o convênio de cooperação internacional entre o Grupo de Investigação em Geografia da Saúde (GIGS) da Universidade de Coimbra e a ENSP, com o objetivo de permitir o intercâmbio de experiências no âmbito da saúde urbana, do planejamento urbano e das mudanças climáticas, que reflitam sobretudo a agenda do Grupo de Pesquisa em Saúde Urbana, certificado em 2016 pelo CNPq que busca articular pesquisa e processos de formação que possam atender às crescentes demandas da saúde pública relacionadas ao crescimento urbano e aos problemas de gestão observados em todas as regiões metropolitanas do país. A formação também se justifica no contexto institucional da ENSP, como Centro Colaborador em Saúde Pública e Ambiental da Organização Pan-Americana de Saúde ?a fim de liderar projetos de formação e pós-graduação voltados aos países latino americanos?, visando, entre outras ações, catalisar e promover experiências bem sucedidas na área da saúde urbana. Nesse sentido, a primeira dessas experiências formativas ocorreu em junho desse ano, através do curso de inverno em Gestão Urbana e Saúde Pública no Contexto do Rio Cidade Olímpica. No curso foram abordados os temas do saneamento, requalificação de espaços urbanos, mobilidade urbana e conflitos sociais relacionados aos planos, programas e políticas de expansão urbana e reescalonamento espacial da região metropolitana do Rio de Janeiro. A relação entre o ambiente construído sob intervenção dos grandes megaprojetos e os determinantes sociais e urbanos da saúde torna-se a questão central destacada na pauta desse curso, assim como, a matriz das políticas urbanas de saúde, ambiente, mobilidade, ocupação do solo e habitação, que configurem cenários onde se desenvolvem suas disciplinas, respondendo, dessa forma, às respectivas demandas de processos de formação profissional que possam e venham atuar no contexto urbano das cidades saudáveis, sustentáveis e socialmente justas.

4. Concepção Pedagógica
Para a definição da concepção pedagógica contou-se com a colaboração da coordenação do curso de Promoção da Saúde e Desenvolvimento Social, do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde - DAPS. Por meio de vários encontros, onde foram apresentadas e discutidas, a experiência de estruturação do curso, a metodologia baseada em problemas adotada e aspectos fundamentais relativos à avaliação e condução de tutorias no processo de formação e ensino-aprendizagem. Portanto, a abordagem didático-pedagógica será estruturada em torno da mesma metodologia baseada em problemas, porém desenvolvida e aplicada ao objeto da gestão urbana e saúde. Que se fundamenta na construção de currículos que criem capacidades de articular e mobilizar conhecimentos. Trabalha com desenvolvimento integrado de atributos cognitivos, psicomotores e afetivos que levem às práticas bem sucedidas no cotidiano dos profissionais. A abordagem dialógica da competência valoriza o contexto dessas práticas, possibilitando uma integração maior entre as instituições formadoras e os prestadores de serviços, usuários e organizações sociais. Assim o currículo do Curso de Gestão Urbana e Saúde foi desenvolvido na abordagem da pedagogia de aprendizagem baseada em problemas (ABP), associada à perspectiva da autonomia. A ABP lança raízes na ativação e elaboração do conhecimento prévio que os alunos trazem através dos relatos de suas experiências. Segundo Dewey, seu formulador, a educação representa a reconstrução dessa experiência. A atividade humana se constitui enquanto experiência quando se percebe conscientemente que a ação produz mudanças no meio ambiente pela reflexão sobre as questões que fazem o indivíduo agir. Caso contrário, o aprendizado será superficial, sem significado. Sua síntese é, portanto, aprender fazendo (no original, learning by doing).
Esse autor apresenta a experiência reflexiva como um processo que se desdobra em cinco etapas:
1. Momento de perplexidade diante de uma situação ? problema;
2.Interpretações hipotéticas sobre o problema;
3.Exploração da análise dos aspectos que explicitam o problema;
4.Reelaboração das hipóteses iniciais;
5.Teste das hipóteses pela ação na realidade, de modo a verificar consequências.

Na experimentação é possível discernir relacionamentos, o que para Dewey é a substância do aprendizado. Já segundo Paulo Freire, a problematização é uma abordagem que permite superar a tradicional transmissão de conteúdos na educação, e despertar uma educação crítica e libertadora, fundada na experiência de vida dos alunos. Assim, combinada as duas abordagens, cada aluno será envolvido como sujeito ativo na produção de conhecimentos e práticas, tornando-se o eixo central do processo, enquanto o professor deixa de lado o papel de transmissor de informações, para se tornar tutor na construção da autonomia progressiva do aluno. No decorrer do curso o aluno sairá em busca do conhecimento a partir de algumas aulas expositivas e, baseado no diálogo permanente com seus colegas e tutores, irá elaborar uma proposta de intervenção sobre a sua realidade social e histórica, tornando-se sujeito e objeto de um processo de aprendizagem conjunto dentro de um grupo maior. Como ferramentas metodológicas utilizadas no curso, destacamos as seguintes:
-Situações problema: Apresentadas pelo corpo discente visam proporcionar o início de um processo reflexivo individual e coletivo, com temas que orientarão a busca ativa de conteúdos (informações, conceitos, estratégias, etc.) capazes de fomentar o diálogo.
- Relatos de prática: é o meio de construção de uma situação/problema a partir da experiência de cada um dos alunos. Os relatos escolhidos para serão tratados como uma situação problema.
- Caixa de ferramentas: é um recurso para ofertar materiais importantes, como filmes, reportagens, relatos de vivência, e outros, apresentados a partir de uma busca empreendida pelos alunos.
- Resenha das aulas: professores e profissionais convidados abordam temáticas no desenvolvimento das unidades de aprendizagem que resultarão em resenhas a serem produzidas por cada um dos alunos, com a finalidade de aprofundar conceitos e conteúdos e estabelecer relações com a sua prática.
- Portfólio: é um instrumento pedagógico que permite ao aluno a aos seus colegas sistematizar os aprendizados e as produções individuais e coletivas nos caminhos percorridos ao longo do curso. É um registro do processo de aprendizagem.
- Trabalho de Conclusão do Curso (TCC): é o trabalho final de cada aluno, que consiste em um plano de intervenção viável com vista a equacionar ou melhorar problemas.

1. Objetivo Geral
Desenvolver um visão crítica e estratégica sobre as políticas, planos e programas que tem determinado historicamente a expansão territorial urbana de uma cidade ou metrópole, fortalecendo e ampliando a pauta da Saúde Coletiva na agenda e nas práticas de gestão e planejamento urbanos do país e, a partir do conceito de determinantes urbanos da saúde coletiva, estudar os diversos campos de conhecimentos relacionados à análise da cidade e construção de políticas e indicadores de qualidade de vida dos seus habitantes, e de sustentabilidade do ambiente das metrópoles.

2. Perfil do Candidato
O curso se destina aos profissionais graduados de todas as áreas atuando nos municípios da Regional de Saúde Serrana e, preferencialmente no Município de Petrópolis, que busquem qualificação e formação para o desenvolvimento de práticas de formulação e execução de políticas, programas e projetos de intervenções urbanas e territoriais, na sua relação com a saúde coletiva.

3. Carga Horária total do Curso
O curso tem carga horária total de 400 (quatrocentas) horas, distribuídas da seguinte forma: 360 (trezentas e sessenta) horas de aulas presenciais e 40 (quarenta) horas para elaboração do TCC;

O curso será ministrado da seguinte forma:
- Às sextas-feiras;
- No horário de 9h às 13h e 14h às 18 horas;
- Excepcionalmente ocorrerão em cada um dos três módulos visitas a campo para o TCC, no sábado das 9h às 18 horas.

4. Periodicidade
Oferta ENSP - Regular - Anual

5. Inscrição
Inscrições prorrogadas até o dia 10/01/2020.

Período de 26/11/2019 a 03/01/2020.

Para verificar o Edital, como também preencher o formulário eletrônico de inscrição é necessário acessar o link Inscrição em www.sigals.fiocruz.br > Inscrição > Modalidade: Presencial > Categoria: Especialização > Unidade: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca > Curso > Gestão Urbana e Saúde.

6. Número de Vagas
Estão sendo ofertadas 24 (vinte e quatro) vagas, sendo 20 (vinte) vagas para candidatos de ampla concorrência, 03 (três) vagas para ações afirmativas e 01 (uma) vaga para candidatos estrangeiros;
Das 24 vagas, serão destinadas 16 (dezesseis) vagas para os para funcionários do Município de Petrópolis.

7. Contato SECA/ENSP
Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca
Serviço de Gestão Acadêmica - SECA
Rua Leopoldo Bulhões, 1480 - Térreo
21041-210 - Manguinhos - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2598-2318
E-mail: pseletivo@ensp.fiocruz.br
Horário de atendimento ao público: 8h30min às 16h30min
Homepage: http://www.ensp.fiocruz.br

1. Objetivo do Curso
Desenvolver um visão crítica e estratégica sobre as políticas, planos e programas que tem determinado historicamente a expansão territorial urbana de uma cidade ou metrópole, fortalecendo e ampliando a pauta da Saúde Coletiva na agenda e nas práticas de gestão e planejamento urbanos do país e, a partir do conceito de determinantes urbanos da saúde coletiva, estudar os diversos campos de conhecimentos relacionados à análise da cidade e à construção de políticas e indicadores de qualidade de vida dos seus habitantes e de sustentabilidade do ambiente das metrópoles.

2. Perfil do Candidato
Candidatos graduados de todas as áreas que busquem qualificação e formação para o desenvolvimento de práticas de formulação e execução de políticas, programas e projetos de intervenções urbanas e territoriais, na sua relação com a saúde coletiva.

3. Carga Horária Total do Curso
O curso, com carga horária total de 406 (quatrocentos e seis) horas, totalizando 58 (cinquenta e oito) aulas, será ministrado às segundas e terças-feiras, das 9h às 17h, na sede da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca - ENSP/Fiocruz.

4. Periodicidade
Oferta ENSP - Regular - Anual

5. Grade Curricular
UA 1 - Gestão de Políticas Públicas na Cidade
Objetivo:
Habilitar os alunos a reconhecer mecanismos de planejamento e gestão nas políticas públicas urbanas, com ênfase nos conceitos que são a base de sua formulação estratégica, especialmente nas áreas de saúde coletiva, mobilidade, ocupação, ambiente e saneamento, através do estudo das transformações urbanas das cidades.
Conteúdo: distribuído em três módulos, acompanha a discussão da Situação problema 1 e da Situação problema 2.

UA 2 - Organizações e Instituições
Objetivo:
Identificar e discutir as redes institucionais e organizacionais que permitem a transversalidade da informação e da decisão dentro de um modelo de governança participativa e quais são as suas implicações sobre o planejamento e execução de políticas de sustentabilidade urbana e ambiental. Conteúdo:
Distribuído em três módulos, cujas aulas acompanham a discussão de três situações/ problema.

Unidade de Aprendizagem 3 - Territórios e Comunidades
Objetivo:
Desenvolver um visão crítica e estratégica sobre as políticas, planos e programas que tem determinado historicamente a expansão territorial urbana de uma cidade ou metrópole. A unidade dará ênfase aos planos diretores de desenvolvimento urbano e aos programas de desenvolvimento regional e suas influências nos processos de periferização, mobilidade e reescalonamento espacial e territorial. A unidade também tem como objetivo a compreensão dos processos saúde-doenças correlacionados a tais verticalidades, de modo a se pensar nas diferentes estratégias e horizontalidades fundamentais, tanto na qualificação de uma governança democrática territorial como na elaboração de propostas alternativas ao planejamento e desenvolvimento urbano de uma cidade.
Conteúdo: distribuído em três módulos, acompanha a discussão da Situação problema 7, 8 e 9. - Tema (antecede a discussão de situação- problema).

6. Inscrição
Período de 07/12/2016 a 09/03/2017.
Para verificar a Chamada Pública (edital), como também preencher o formulário de inscrição é necessário acessar o Link Inscrição (www.sigals.fiocruz.br) - Inscrição > Modalidade: Presencial > Categoria: Especialização > Unidade: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca > Curso: Especialização em Gestão Urbana e Saúde 2017.1.S.R

7. Vagas
Serão oferecidas 30 (trinta) vagas, sendo 02 (duas) vagas para candidatos estrangeiros, com possibilidade de remanejamento, caso não sejam ocupadas.
4.1 Deverão ser selecionados 20% (vinte por cento) de candidatos a mais (quando houver) que o número de vagas ofertadas, na condição de SUPLENTES, para o caso de algum candidato inicialmente selecionado não atender satisfatoriamente aos requisitos previstos, assegurando-se assim que todas as vagas possam ser preenchidas.
4.2 Os candidatos selecionados como suplentes desde já têm ciência de que somente serão convocados diante da vacância de candidatos inicialmente selecionados e de acordo com a respectiva ordem de classificação.

8. Contato Serviço de Gestão Acadêmica
Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Serviço de Gestão Acadêmica SECA
Rua Leopoldo Bulhões,1480, Edifício Profº Joaquim Cardoso de Mello, 1º andar, sala 105
Manguinhos - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 21.041-210
Ligação gratuita: 0800-0230085
Tel.: (21) 2598-2435
E-mail: pseletivo@ensp.fiocruz.br
Horário de atendimento ao público: 8h30min às 16h30min
Homepage: http://www.ensp.fiocruz.br