Gestão e Tecnologias do Saneamento

1. Periodicidade
Oferta ENSP - Regular - Anual

2. Objetivo do Curso
Tornar o corpo discente apto para atuar tanto no desenvolvimento de projetos de pesquisa e de ação, quanto na realização de assessorias técnicas e de gestão nos campos do saneamento e da saúde ambiental.

3. Objetivo Específico
- Atualizar e aperfeiçoar conhecimentos nos campos do saneamento e da saúde ambiental;
- Desenvolver os conhecimentos necessários à análise, à gestão e à avaliação de projetos, bem como à regulação dos serviços na área de saneamento básico e ambiental;
- Estimular a construção de projetos de pesquisa que abordem as questões do saneamento básico e ambiental nas suas interfaces destas com determinados processos de saúde-doença;
- Produzir conhecimentos, análises e avaliações sobre as práticas mais presentes na gestão e na avaliação de projetos, com ênfase em saneamento básico; - Compreender as políticas mais amplas voltadas para o saneamento nas suas conexões com as singularidades locais.

4. Justificativa
HISTÓRICO: O DSSA notabilizou-se ao longo dos seus 50 anos de existência pela realização do Curso de Especialização para Engenheiros de Saúde Pública, cujo público-alvo era formado por engenheiros provenientes de algumas instituições públicas de saúde e saneamento, de companhias de saneamento, além de outros, recém-saídos das universidades. Nas décadas de 1980/90 esse perfil seria alterado em decorrência das transformações conjunturais ocorridas no país, assim como das que resultaram das discussões ocorridas na Conferência Mundial sobre Ambiente e Desenvolvimento ("ECO-92"). Ainda assim o curso manteve praticamente inalterado o seu enfoque, mesmo tendo sido alteradas algumas das suas disciplinas originais e/ou criadas outras.
Como resultado desse processo observou-se uma progressiva redução do contingente de engenheiros participantes nos processos seletivos entre os anos de 2004 e 2007, assim como com relação ao número de candidatos/as em geral. Por outro lado, observava-se o crescente interesse de profissionais como biólogos e arquitetos, entre outros, pelo curso.
Nesse cenário, em 13 de dezembro de 2006, os integrantes do DSSA discutiram propostas voltadas para a reestruturação do curso, o que resultou na construção da proposta do Curso de Especialização em Engenharia Sanitária e Controle Ambiental (CEESCA). Contudo, tal reestruturação só viria a ocorrer de fato em 2012, ocasião em que o curso foi estruturado em três áreas, a saber: Vigilância em Saúde Ambiental, Promoção de Ambientes Saudáveis e Sustentáveis e Gestão e Tecnologias do Saneamento. Além disso, decidiu-se que o seu processo seletivo tornar-se-ia aberto para graduados em quaisquer áreas do conhecimento.
Das três áreas criadas em 2012 apenas a última deu prosseguimento às atividades de organização do curso para o ano seguinte. Dessa forma, o Curso de Especialização em Gestão e Tecnologias do Saneamento (CEGTS) pode ser realizado, em sua 2ª Edição, no período de 2014-5.
CEGTS, FORMAÇÃO E A SAÚDE PUBLICA: Considerado como fundamental para a saúde pública o acesso aos serviços de saneamento básico é, sobretudo, um direito humano, relacionado à melhoria da qualidade de vida, individual e coletiva. Entretanto, muitos profissionais responsáveis pela efetivação desse acesso não dispõem dos conhecimentos necessários para torná-lo efetivo ou, ainda, para compreendê-lo de forma integrada com a promoção da saúde. Assim, a formação qualificada desses profissionais para que promovam ações voltadas para a universalização do abastecimento de água potável e do esgotamento sanitário (coleta, tratamento e destinação final), gestão de resíduos sólidos urbanos, industriais e de saúde (coleta, tratamento e disposição final) e o adequado manejo de águas pluviais urbanas para o controle de enchentes pode contribuir significativamente para o Sistema Único de Saúde e para a melhoria das condições de vida de parte considerável da população brasileira.
Em 2017 o Curso de Especialização em Gestão e Tecnologias do Saneamento foi submetido ao processo de Acreditação Pedagógica pela Agência Nacional de Acreditação Pedagógica (AAP), da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO).
A metodologia adotada no processo de Acreditação Pedagógica, descrita no Manual de Acreditação Pedagógica de Cursos Lato sensu na área de Saúde Pública/Coletiva, inclui as dimensões gerencial, pedagógica e de infraestrutura e observa ainda o Referencial de Qualidade. O resultado deste processo foi "favorável à validação da Acreditação do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologias do Saneamento - CEGTS, uma vez que estão presentes os requisitos básicos" (AAP/ABRASCO, Julho/2018). Com isso o CEGTS tornou-se um dos dois cursos acreditados pela AAP/ABRASCO na Fiocruz/Rio de Janeiro.
Em 2020 a 7ª edição do Curso de Gestão e Tecnologias do Saneamento estará conformada dando continuidade às recomendações feitas pela AAP/ABRASCO, nas diversas dimensões que envolvem desde a sua gestão até as questões político-pedagógicas, incluindo seu próprio Projeto Político-Pedagógico

5. Concepção Pedagógica
A história do CEGTS remete, como assinalado no item anterior, às discussões ocorridas no DSSA no final de 2006, ocasião em que foi criada uma comissão responsável pela formulação de propostas para a reestruturação do CEESCA. Como resultados dos trabalhos da comissão foram apresentados os seguintes encaminhamentos: 1. Definição dos objetivos do curso; 2. Formulação de projeto político-pedagógico e/ou de eixos norteadores; 3. Ênfase na consolidação da interface entre os diferentes campos de conhecimentos que compõem o curso; 4. Abordagem sobre problemas contemporâneos relacionados às questões ambientais e ao saneamento; 5. Busca de diálogo com outros centros de produção de conhecimentos da Fiocruz; 6. Inserção de profissionais de outras instituições e/ou autônomos na estrutura do curso.
Assim, em 2014, quando o CEGTS se tornou o único curso de especialização oferecido pelo DSSA as propostas formuladas em 2006 foram consideradas no seu desenvolvimento. Nesse sentido, buscou-se o diálogo com pesquisadores/professores de outras unidades da Fiocruz, assim como com outros, de outras instituições ou, mesmo, sem vínculo institucional. Esse diálogo permitiu a aproximação de diferentes campos do conhecimento na busca de entendimento sobre problemas atuais relativos à saúde ambiental e ao saneamento. A partir desse diálogo os objetivos, geral e específicos do CEGTS puderam ser redefinidos e, assim, tornarem-se referências fundamentais para a construção do seu Projeto Político Pedagógico.
Portanto, o diálogo entre diferentes campos do conhecimento fundamenta o processo de formação de caráter interdisciplinar que, por sua vez, orienta o processo de ensino-aprendizagem, tanto nas salas de aula quanto nos espaços onde se dão as atividades práticas. Nas salas de aula do quarto andar da ENSP acontecem as aulas teóricas, enquanto as atividades práticas são realizadas em ambientes externos, inclusive, noutros municípios do estado do Rio de Janeiro, por ocasião das visitas técnicas a aterros sanitários, estações de tratamento de esgoto e de água, reservas ambientais e a lugares onde são desenvolvidos projetos de saneamento ambiental.
Por outro lado, o processo de ensino-aprendizagem considera os alunos como sujeitos que possuem suas próprias histórias de vida e, portanto, trazem consigo seus próprios conhecimentos. Dessa forma, considera esses conhecimentos como potenciais motivadores para o estabelecimento de diálogos com os conteúdos das unidades de aprendizagem que integram a grade curricular do curso. Essas unidades de aprendizagem, por sua vez, correspondem a resultados de pesquisas teóricas e/ou empíricas realizadas, seja por professores-pesquisadores que integram o corpo docente ou por pesquisadores de outras instituições. Ou seja, de um modo geral, procuram manter-se atualizadas com relação às fontes de informações sobre os temas que abordam. Além disso, incluem as experiências de cada docente com a gestão na área do saneamento.

6. Sistema de Avaliação
A forma de abordagem de cada Unidade de Aprendizagem corresponde aos métodos educacionais adotados por cada professor/a responsável. A coordenação do curso recomenda aos/às docentes que não seja utilizada como mecanismo principal de avaliação dos alunos a prova. Dessa forma, cada um/a poderá propor atividades de acordo com a percepção que desenvolve com relação ao desenvolvimento da turma. De uma forma geral, são utilizados como instrumentos de avaliação a redação de resenhas e relatórios de atividades; a preparação e apresentação de seminários; leitura e discussão de textos; exercícios teóricos. Mais comumente, a produção de relatórios de atividades corresponde às atividades externas, como as visitas técnicas a unidade de interesse.
A opção entre avaliações individuais e/ou em grupos é também prerrogativa de cada docente. Assim, determinados aspectos subjetivos como a participação nas discussões em sala de aula, a iniciativa na organização de atividades voltadas para um maior aprofundamento de questões apresentadas é também considerada na definição do conceito final de cada Unidade de Aprendizagem.
Em 2017 desenvolvemos a experiência de apoio pedagógico a um grupo de alunos que, ainda no processo seletivo para ingresso no curso, apresentavam maior dificuldade na elaboração de textos. Com isso, paralelamente às aulas regulares, esses alunos desenvolvem estudos sistemáticos sob a coordenação de uma professora-orientadora. Tais estudos são voltados para o estímulo à leitura, para a compreensão e produção de textos científicos. Nesse processo, o grupo não foi avaliado. Essa avaliação e o seu acompanhamento deram-se, a posteriori, com base no desenvolvimento que apresentarem nas Unidades de Aprendizagem. É considerada, por determinação do MEC, a frequência acima de 75% nas aulas como fator determinante para a aprovação.
A avaliação definitiva de cada discente corresponde à elaboração e à apresentação do TCC, conforme disposto nas Orientações para a Elaboração de TCC da ENSP.
Ao final de cada Unidade de Aprendizagem o corpo docente é também avaliado pelos alunos, através de formulário distribuído. Processo que tem se revelado fundamental para a auto avaliação do curso e, quando necessário, da sua reformulação.

1. Objetivo Geral
Tornar o corpo docente apto para atuar tanto no desenvolvimento de projetos de pesquisa e de ação, quanto na realização de assessorias técnicas e de gestão nos campos do saneamento e da saúde ambiental.

1.2. Objetivos específicos
- Atualizar e aperfeiçoar conhecimentos nos campos do saneamento e da saúde ambiental;
- Desenvolver conhecimentos necessários à análise, à gestão e à avaliação de projetos, bem como a regulação dos serviços na área de saneamento básico e ambiental;
- Estimular a construção de projetos de pesquisa que abordem as questões do saneamento básico e ambiental nas suas interfaces com determinados processos de saúde-doença;
- Produzir conhecimentos, análises e avaliações sobre as práticas mais presentes na gestão e na avaliação de projetos, com ênfase em saneamento básico;
- Compreender as políticas mais amplas voltadas para o saneamento nas suas conexões com as singularidades locais.

2. Perfil do Candidato
O curso se destina a profissionais graduados com atuação ou interesse nas áreas de Saneamento e Saúde Ambiental.

3. Carga Horária total do Curso
O curso tem carga horária total de 360 (trezentas e sessenta) horas, distribuídas em dois módulos. O Módulo Básico tem a carga horária de 132 (cento e trinta e duas) horas, enquanto o Módulo Específico 228 (duzentas e vinte e oito) horas;

As aulas serão ministradas às terças e às quintas-feiras, das 10 (dez) horas às 13 (treze) horas e das 14 (quatorze) horas às 17 (dezessete) horas, nas dependências da ENSP e, eventualmente, acontecerão em formato de visitas técnicas em locais externos.

4. Periodicidade
Oferta ENSP - Regular - Anual

5. Inscrição
Período de 06/01 a 06/03/2020.

Para verificar o Edital, como também preencher o formulário eletrônico de inscrição é necessário acessar o link Inscrição em www.sigals.fiocruz.br > Inscrição > Modalidade: Presencial > Categoria: Especialização > Unidade: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca > Curso > Gestão e Tecnologias do Saneamento

6. Número de Vagas
Estão sendo ofertadas 30 (trinta) vagas, sendo 24 (vinte e quatro) para candidatos de ampla concorrência, 03 (três) para ações afirmativas e 03 (três) para candidatos estrangeiros;

7. Contato SECA/ENSP
Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca
Serviço de Gestão Acadêmica - SECA
Rua Leopoldo Bulhões, 1480 ? Edifício Prof. Joaquim Alberto Cardoso de Melo, sala 106
21041-210 - Manguinhos - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2598-2318
E-mail: pseletivo@ensp.fiocruz.br
Horário de atendimento ao público: 8h30min às 16h30min
Homepage: http://www.ensp.fiocruz.br

1. Objetivo Geral
Proporcionar ao seu corpo discente o aperfeiçoamento técnico-científico e cultural necessário às ações que visem à melhoria da saúde da população brasileira e o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) através da construção de conhecimentos nos campos do saneamento e da saúde ambiental.

2. Perfil do Candidato
O Curso se destina aos profissionais de nível superior com atuação ou interesse nas áreas de e Saneamento e Saúde Ambiental.

3. Carga Horária total do Curso
O curso tem uma carga 378 (trezentos e setenta e oito) horas, distribuídas em dois módulos. O Módulo Básico tem a carga horária de 231(duzentos e trinta e um) horas, enquanto o Módulo Específico 147 (cento e quarenta e sete) horas.

4. Periodicidade
Oferta ENSP - Regular - Anual

5. Inscrição
Período de 11/01/2019 a 22/02/2019.

Para verificar o Edital, como também preencher o formulário eletrônico de inscrição é necessário acessar o link Inscrição em www.sigals.fiocruz.br > Inscrição > Modalidade: Presencial > Categoria: Especialização > Unidade: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca > Curso > Gestão e Tecnologias do Saneamento.

6. Número de Vagas
Estão sendo ofertadas 30 (trinta) vagas, sendo 24 (vinte e quatro) para candidatos de ampla concorrência, 03 (três) para ações afirmativas e 03 (três) para candidatos estrangeiros.

7. Contato SECA/ENSP
Fundação Oswaldo Cruz
Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca
Serviço de Gestão Acadêmica - SECA
Rua Leopoldo Bulhões, 1480 - Térreo
21041-210 - Manguinhos - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2598-2318
E-mail: pseletivo@ensp.fiocruz.br
Horário de atendimento ao público: 8h30min às 16h30min
Homepage: http://www.ensp.fiocruz.br